A MOEDA NA BOCA DO PEIXE

18:08Apenas Evangelho

Flávio Santos

Mateus 17.24-27 

A narrativa bíblica da moeda na boca do peixe, exclusiva ao Evangelho de Mateus, é complexa por pelo menos dois motivos: o primeiro é que o milagre beneficia a Jesus e isso não é comum em seus milagres. E a segunda é que pode ser que não tenha acontecido o milagre, pois a história não mostra o milagre acontecendo. 

Mas, a despeito disso, acredito que o milagre tenha acontecido pelo seu registro no Evangelho e por quem disse que isso aconteceria, Jesus. Assim vamos ao que podemos aprender com esse relato. 

Pedro é interrogado se Jesus não paga o imposto do templo. O imposto é cobrado porque o templo tinha muitas demandas de investimento. O valor era duas dracmas. Os cobradores perguntam a Pedro sobre o imposto de Jesus. Os mestres também pagavam e tinha de dar o exemplo. Como Jesus é um mestre, os cobradores perguntam do seu imposto. Pedro responde que Jesus paga seus impostos. Provavelmente o imposto estava atrasado porque Jesus era um mestre itinerante e não estava em Cafarnaum no dia do pagamento. 

Jesus se adiantou a Pedro sobre o imposto com uma pergunta: — Simão, o que você acha? De quem os reis da terra cobram impostos ou tributo: dos seus filhos ou dos estranhos? O conteúdo da pergunta de Jesus mostra que existiam pessoas que precisavam pagar e outras não. Os estranhos devem pagar o imposto, os filhos não precisam pagar. 

Jesus como Filho de Deus não precisaria pagar, mas para dar o exemplo, paga. E como Filho de Deus é onisciente e sabe que Pedro e Ele estavam sendo cobrados e precisavam de recurso. Jesus sempre se adianta aos seus discípulos quando esses estão passando por problemas. E não somente se adianta como providencia o que eles precisam. 

A pergunta que Jesus faz a Pedro, como vimos, mostra que Ele é Filho de Deus, o Rei do Reino. Assim ele não precisaria pagar o imposto. Jesus diz a Pedro que pagaria para não escandalizar, ou seja, fazer tropeçar as pessoas. Jesus dá um grande exemplo sobre como devemos honrar com os nossos compromissos. 

Aprendemos com a realeza de Jesus que ele é Rei sobre Israel. Rei sobre o Reino de Deus. Rei sobre a criação. Rei sobre a nossa família. Rei sobre os nossos negócios. Rei sobre os nossos sonhos. Rei sobre tudo o que somos e temos. Ele está no controle. Descanse. 

Para não escandalizar os cobradores, Jesus paga o imposto. Ele ordena a Pedro que vá ao mar e pesque um peixe que terá uma moeda para o imposto. O texto não mostra o que Pedro fez. Mas provavelmente tenha acontecido o que Jesus disse que aconteceria. 

Vemos com isso a soberania de Jesus sobre a criação. Ele controlou o peixe e não o deixou engolir a moeda. No mar onde Pedro deveria pescar havia uma espécie de peixe que engolia objetos brilhantes. Então era comum encontrar peixes com moedas na barriga, mas não com moedas na boca. 

A soberania de Jesus sobre os eventos. Jesus controlou quem deixou cair a moeda no lago, Jesus controlou o momento em que o peixe pegou, Jesus controlou o peixe para não engolir a moeda. O milagre não está no fato de Pedro ter pego um peixe com uma moeda, mas no fato de ser o primeiro peixe que fisgou com uma moeda na boca. 

A soberania de Jesus para providência. Jesus providenciou o que Pedro e Ele precisavam. Jesus providenciou a partir do que Pedro sabia fazer: pescar. Jesus é o Rei da providência e vai providenciar o que precisamos a partir do que sabemos fazer, do nosso trabalho. 

É Apenas no Evangelho que podemos viver os milagres de Jesus sobre a Sua criação.

Talvez possa Querer Ler Também

0 comentários

Postagens Populares

Formulário de contato